PF deflagra operação que investiga irregularidades em licitação da Casa da Moeda

Há suspeita de que ex-diretores da instituição tenham beneficiado empresa na compra de equipamentos usados para fabricar cédulas de dinheiro.


Por G1 Rio


A Polícia Federal e a Corregedoria-Geral do Ministério da Fazenda realizam nesta terça-feira (23) uma operação para investigar irregularidade em um contrato de R$ 300 milhões feito pela Casa da Moeda para comprar equipamentos de fabricação de cédulas de dinheiro.

Resultado de imagem para casa da moeda
Sede da Casa da Moeda, no Rio de Janeiro (Foto: Guilherme Pinto / Agência O Globo)

Segundo o ministério, a suspeita é que ex-diretores da instituição tenham recebido "vantagens indevidas" para favorecer uma empresa na licitação que resultou no contrato. Os nomes dos beneficiados e os montantes que teriam sido recebido por eles não foram divulgados.

Os policiais cumprem mandados de busca e apreensão em cinco cidades Rio de Janeiro, São Paulo, São José dos Campos (SP), Itajubá (MG) e Brazópolis (MG). Funcionários da Corregedoria-Geral do Ministério da Fazenda dão apoio aos agentes.

A ação desta sexta é um desdobramento da Operação Vícios, deflagrada pela PF em julho de 2015, quando foram cumpridos 23 mandados de busca e apreensão no Rio, em São Paulo e em Brasília, inclusive na Receita Federal e na Casa da Moeda.

Naquela fase, as suspeitas eram de irregularidade semelhante – favorecimento de uma empresa – na contratação do Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe), que compete à Casa da Moeda. Indícios apontavam para o pagamento de cerca de R$ 100 milhões em propina para servidores e empregados da Casa da Moeda e da Receita Federal.

Em 2016, uma outra operação, batizada de Esfinge, prendeu um auditor-fiscal da Receita que havia sido coordenador-geral de Fiscalização na época em que a licitação foi realizada, e a esposa dele.

Em nota, a Casa da Moeda informou que apoia todas as ações que tenham objetivo de esclarecer fatos relacionados a empresa, que a Operação Vícios começou a partir de uma comunicação da própria instituição, e que a licitação alvo da operação desta sexta-feira foi considerada regular pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Postar um comentário

Postagens mais visitadas