Postagem em destaque

Fiscais estaduais de MS são alvos de operação e Gaeco aponta prejuízo de R$ 750 mil

2ª fase da Operação Bolsão foi deflagrada nesta segunda-feira e tem como alvos empresários, contadores e outras pessoas que fraudavam fisco estadual.


Por G1 MS

A segunda fase da Operação Bolsão, a Padrinho, tem como alvos fiscais estaduais, empresários, contadores e terceiras pessoas que se uniram para exigir propina de empresários para fugir da fiscalização tributária estadual. As investigações até o momento identificaram prejuízo de R$ 750.000.

Resultado de imagem para operação bolsão
Operação Bolsão | Reprodução

A assessoria de imprensa informou que o governo do estado está acompanhando os trabalhos, como também repassando as informações solicitadas. Mas ressaltou que não vai se posicionar sobre o assunto porque ainda está em fase de investigação.

Segundo o Ministério Público de Mato Grosso do Sul, por meio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), foram cumpridos nesta segunda-feira (18) ordens de busca e apreensão em residências e empresas dos investigados, além Secretaria da Fazenda e Agência Fazendárias (Agenfa) em Aparecida do Taboado e Paranaíba, cidades ao leste do estado, e em Ribeirão Preto (SP).

De acordo com o Gaeco, o dinheiro arrecadado por suborno transitava em contas bancárias de familiares dos envolvidos, para tentar mascarar os ganhos ilícitos.

A operação recebeu o nome de "Padrinho" pois era o termo utilizado entre os fiscais e empresários quando em contato para as tratativas dos pagamentos das propinas.

Primeira fase

A coordenação do GAECO ressalta ainda que “as investigações referentes à primeira fase da Operação Bolsão ensejaram o oferecimento de denúncia criminal contra todos os envolvidos, cujo processo já está em fase final de instrução processual".

A primeira fase foi deflagrada em fevereiro deste ano nos municípios de Cassilândia, Paranaíba, Chapadão do Sul e Aparecida do Taboado. O objetivo da investigação foi apurar a prática de associação criminosa, extorsão por parte de funcionários públicos e falsidade ideológica.

0