Diálogo revela que presidente afastado do TCE-RJ sabia de esquema de fraude no Detran, diz MP

Aloysio Neves tinha relacionamento íntimo com ex-secretário de Magé preso em operação contra fraudes no Detran-RJ. Mansão dele tinha boate e carro de R$ 200 mil


Por Arthur Guimarães e Pedro Figueiredo | RJTV

A investigação do Ministério Público do Rio (MP-RJ) teve acesso a conversas telefônicas que mostram que o presidente afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) sabia da corrupção no Detran de Magé. O diálogo, com André Vinícius Gomes da Silva, um dos três presos em uma operação nesta quinta-feira (31), não constou no inquérito da Polícia Civil.

Resultado de imagem para André Vinícius Gomes da Silva
Preso homem acusado de chefiar esquema de propinas no Detran de Magé

Para os promotores, o relatório policial suprimiu ou omitiu a participação do conselheiro do Tribunal de Contas propositalmente. O Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do MP, obteve na Justiça que a Corregedoria da Polícia Civil atue no caso.

André Vinícius é ex-secretário de Habitação e Urbanismo do município e tem, segundo o MP, um "relacionamento afetivo íntimo" com Aloysio Neves, que chegou a ser preso e responde em liberdade a outras acusações de receber propina, em esquema chefiado pelo ex-governador Sérgio Cabral.

Segundo o MP, André Vinícius se valia do relacionamento com Aloysio para obter favorecimentos na análise das contas e dos contratos do município de Magé.

Secretário de Governo citado

Nas conversas gravadas pela Polícia Civil, com autorização da Justiça, os dois citam Monnerat, que seria atual secretário de Estado de Governo Affonso Henriques Monnerat. Aloysio afirma que não vai deixar de atender André, mas que ficará devendo um favor a Monnerat por "dois carguinhos de m..."

Para os promotores, André Vinícius também é muito próximo de Nestor de Moraes Vidal Neto, então prefeito de Magé, tendo sido secretário municipal de Esporte e Lazer.

O caso demorou dois anos pra tramitar no MP. Agora, a Justiça de primeira instancia de Magé autorizou o compartilhamento das conversas telefonicas que citam Aloysio Neves com a Procuradoria Geral da Republica, em Brasília. E todo o material sobre o conselheiro deve ser analisado pelo Superior Tribunal de Justiça.

Mansão com boate

Imagens obtidas pela GloboNews mostram a mansão onde vivia André Vinícius em Magé. A casa tinha piscina, churrasqueira e até boate. Na garagem, um carro importado avaliado e R$ 200 mil.

Além dele, foram presos Paulo César Batista Vaz, considerado o braço-direito do prefeito, e Alexandre Bento Pinto. Na operação também foram cumpridos 45 mandados de busca e apreensão.

Propina de R$ 100 a R$ 2 mil

A investigação começou a partir de uma denúncia da Corregedoria do Detran. Segundo os agentes, havia um esquema para liberar vistoria de carros irregulares, aferição de gases em veículos irregulares e também fraude na emissão de documentos e de blindagem.

O Ministério Público denunciou 24 pessoas e o juiz Felipe Carvalho Gonçalves da Silva, da Vara Criminal de Magé, concedeu a prisão preventiva dos três presos nesta quinta.

Os três acusado pediam e recebiam propina para legalizar os carros. Para isso, nomeavam funcionários terceirizados. Os motoristas pagavam de R$ 100 a R$ 2 mil por vistoria.

Os suspeitos vão responder pelos crimes de organização criminosa, inserção de dados falsos em sistema de informação e corrupção passiva.

O que dizem os citados?

O G1 não conseguiu contato com os citados na reportagem. O Detran informou que os dois ex-chefes presos nesta quinta eram terceirizados e não trabalham mais para o órgão. E que, se for constatado o envolvimento de mais algum funcionário, vai tomar as medidas necessárias.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas