Postagem em destaque

Rombo em Búzios pode chegar a R$ 50 milhões

Denúncias apontam fraudes em 21 processos licitatórios e prefeito foi afastado pela Justiça


Elizeu Pires

Afastado do cargo duas vezes em pouco mais de um mês, o prefeito de Búzios, André Granado (foto), será investigado em duas comissões processantes na Câmara de Vereadores. 


Resultado de imagem para prefeito de buzios dr andre
Prefeito de Búzios Dr. André (PMDB)

Dr. André, como o prefeito gosta de ser chamado, vem sendo denunciado desde 2014, sem que nada tivesse acontecido até então. 

Este ano o Poder Legislativo decidiu agir e no dia 1º de junho chegou a afastar Granado, mas uma liminar concedida pelo juiz Marcelo Alberto Chaves Villas, da 2ª Vara da Comarca local o recolocou no cargo 24 horas depois. 

Ontem (4) os vereadores Paulo César Rito, Vantoil Martins, Alexandre Carvalho, Alan Rodrigues e Marciley Lessa apresentaram requerimentos no sentido de apurar possíveis irregularidades na aquisição de materiais de construção por parte da Prefeitura, além da compra de refeições durante o exercício de 2016. 

As suspeitas, entretanto, vão muito além: envolvem 21 processos licitatórios e as estimativas são de que fraudes podem ter gerado prejuízos de pelo menos R$ 50 milhões.

Desde o dia 2 de junho comemorando a liminar concedida a seu favor, André Granado levou uma pancada e tanta nesta quarta-feira, pois o mesmo magistrado que o reconduzira no caso do afastamento imposto pelos vereadores, resolveu tirá-lo do governo, decisão que foi tomada em pedido apresentado pelo Ministério Público - com base na atuação do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção -, que desde 2014 vem investigando denúncias contra a administração municipal de Búzios e propôs uma ação judicial de improbidade administrativa, na qual também são citados o ex-secretário de Fazenda Renato de Jesus, o membro do Conselho Municipal de Turismo, Alberto Frederico da Veiga Jordão e o empresário Everton Fabio Nunes Paes, apontado no processo como sócio do portal Diário Costa do Sol.

Entre as licitações sob suspeita estão algumas realizadas para contratação de serviços, fornecimentos e locação de ambulâncias, feitas através das secretarias de Obras, Serviços Públicos e Saúde.



0