MP-RJ pede perda da função pública de Pezão e Dornelles por improbidade administrativa

Governador e vice são acusados de não honrar o repasse mínimo de verba para a saúde. Em outra ação, TRE decidiu pela cassação de ambos.


Por G1 Rio


No mesmo dia em que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) publicou a decisão pela cassação do governador Luiz Fernando Pezão e seu vice, Francisco Dornelles, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ajuizou ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra Pezão. 

Resultado de imagem para pezão governador
Governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão (PMDB)

A ação foi ajuizada na segunda-feira (20), pelo procurador de Justiça decano do Conselho Superior do Ministério Público (CSMP), Ricardo Ribeiro Martins. Ela tem como base o inquérito instaurado a partir de representação feita pelo Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj). A entidade alegou que o governo do estado gastou apenas 9,74% da receita ativa do estado na área da saúde, apesar de a Constituição Federal determinar que o mínimo de investimento no setor seja de 12%.

Quando o inquérito foi instaurado, a assessoria do governador alegou que as exigências de repasses para a Saúde foram integralmente cumpridas pelo governo do estado e que as contas referentes ao ano de 2015, foram aprovadas pelo TCE.

Na ação, o MP pede a perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos de Pezão. Requer também o pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração dele como governador, proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios pelo prazo de três anos e pagamento de danos morais difusos, em valor a ser prudentemente arbitrado pelo Juízo.

Pezão e Dornelles vão recorrer da cassação

A cassação dos diplomas de Pezão e Dornelles foi determinada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) considerando abuso de poder político e econômico durante a campanha à eleição. Pela decisão, os dois ficam inelegíveis por oito anos e têm os diplomas cassados.

Essa decisão do TRE foi tomada com base numa representação do deputado estadual Marcelo Freixo, do Psol. Agora, o governador e o vice têm três dias para recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral. Ambos já informaram que vão recorrer. Pezão e Dornelles podem continuar nos cargos enquanto houver possibilidade de recurso.

Eu seu parecer, o magistrado destacou a necessidade de que a população fluminense, diante da crise enfrentada pelo estado, de voltar às urnas para escolher um novo governo.

“A crise institucional, política e econômica, e por que não dizer moral, são de envergadura jamais vivenciada, motivo pelo qual a melhor solução é a de devolver à população o direito que lhe é inerente, a saber, o exercício do sufrágio”, ressaltou o desembargador.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas