Relatório da Câmara prevê mais poder para CGU na leniência e anistia para empresários

Por Raquel Alves | JOTA

Articulação patrocinada pelo líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), pode conferir à Controladoria Geral da União a prerrogativa exclusiva de assinar os acordos de leniência com empresas investigadas por corrupção.


Resultado de imagem para deputado andré moura
Deputado Federal André Moura (PSC-SE)

O JOTA teve acesso ao parecer de Moura ao projeto de lei 3636/15 sobre a regulamentação dos acordos de leniência, que traz pontos polêmicos com previsão de medidas que podem representar até mesmo anistia a empresários, membros das diretorias e até políticos que celebrem o entendimento.

Pelo texto, apresentado aos líderes da Câmara em café da manhã na terça-feira (8/11), a participação do Ministério Público ou da Advocacia Geral da União é permitida, mas não obrigatória.

Na ausência de órgão de controle interno nos Estados, Distrito Federal ou Município, o parecer diz ainda que os acordos serão assinados pelos governadores ou prefeitos com o chefe do Ministério Público, mas para acordos envolvendo a União vale a regra da CGU. E quando os acordos forem celebrados por órgãos do MP, serão submetidos à homologação no prazo de 30 dias.

O relatório ainda conta com a previsão de “extinção automática” das punições das ações penais e por improbidade que seriam aplicadas a “pessoas físicas” envolvidas no ato ou que assinem o acordo – leia-se anistia a empresários, membros das diretorias e até políticos.

E, uma vez aprovada a versão distribuída aos líderes, a anistia seria extensiva a todos os processos em curso.

A versão Moura ainda isenta as empresas signatárias dos acordos das restrições de participar de licitações e contratos com a Administração Pública; permite a remissão total da multa para o celebrante que for o primeiro a firmar o acordo, além de reduzir em 2/3 todas as multas aplicadas aos investigados.

Processos administrativos em curso deve ser sobrestados – e posteriormente arquivados – após a celebração dos acordos.

O debate em torno da regulamentação dos acordos de Leniência estava adormecido na Câmara desde maio quando a Medida Provisória (MP) 703/15 perdeu eficácia por decurso de prazo sem votação sequer da comissão mista onde era discutida no Congresso Nacional. Moura chegou a apresentar um parecer ao PL 3636/15 em fevereiro passado mas o texto nunca foi analisado justamente sob o argumento de que com a MP em vigor não havia ambiente político para tratar do projeto.

Na terça-feira, foi o próprio líder do Governo quem anunciou a ofensiva para aprovação do novo parecer. Líderes que participaram do café da manhã na residência oficial da Câmara afirmam que Moura chegou para a reunião munido do requerimento de urgência “a pedido do Governo”. Os líderes então assinaram o pedido, e Rodrigo Maia incluiu o tema na lista de votações da semana.

O fracasso da ofensiva veio com a entrega do parecer “com mudanças pontuais” em relação à versão entregue em fevereiro para a comissão especial. Ao retornarem para a Câmara, os líderes repassaram a minuta para os técnicos da Casa que alertaram quanto à gravidade das mudanças.

As alterações no texto de fevereiro não eram pontuais, mas classificadas por técnicos da Câmara como “preocupantes na medida em que permitem que empresários e outras pessoas envolvidas em atos de corrupção utilizem-se do acordo para impedir a atuação dos órgãos de controle como a Polícia Federal, o Tribunal de Contas da União, o Ministério Público Federal e o Poder Judiciário”.

Alertados pelos técnicos e informados da reação dos integrantes do MP na força tarefa da Lava Jato, os líderes começaram a questionar a necessidade de votar o tema com urgência. Moura, que havia prometido a versão final para o início da tarde, desapareceu e nenhum texto final foi apresentado.

Horas depois da coletiva no Paraná – e sob o argumento de que a urgência foi pautada somente para “forçar a apresentação do parecer” e assim promover o debate sobre o tema – o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tirou o pedido de tramitação especial da lista de votação do plenário no início da noite de quarta-feira e avisou que o só um acordo levará o projeto de volta ao plenário. Por meio da assessoria, Moura contradisse Maia e afirmou que não existe parecer finalizado.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas