Postagem em destaque

Áudio mostra desespero de Paulo Melo em Saquarema

Gravação tem voz do deputado falando em gastos de R$ 4,1 milhões 


Elizeu Pires

“Se todo mundo perder, ninguém gastou nada, eu me f… todo. Tirei R$ 4,1 milhões do meu patrimônio”, disse o deputado estadual Paulo Melo durante uma reunião com o seu candidato a prefeito de Saquarema, Hamilton Nunes de Oliveira, o Pitico (PMDB), que respondeu: “Eu estava bem, no meu carguinho lá, e agora você que me botou nisso”. 

Resultado de imagem para paulo melo pitico
No áudio Hamilton Pitico demonstra arrependimento por ter deixado cargo de chefe de gabinete do deputado Paulo Melo para aceitar ser o candidato a prefeito do grupo


A conversa foi gravada sem que Melo - que atualmente comanda a Secretaria de Assistência Social - soubesse e teria sido vazada via Whatsap do telefone celular do próprio Pitico, que demonstrou estar arrependido de ter deixado o cargo de chefe de gabinete de Melo para se aventurar na disputa pela Prefeitura.

Principal apoiador de Pitico, de quem é padrinho político, o deputado vinha mostrando nervosismo com o avanço do ex-prefeito Antonio Peres, agora substituído pela esposa, Manuela Peres, o que parece preocupar ainda mais ao grupo de Paulo Melo. “Com Peres o deputado ainda achava que se perdesse a eleição poderia reverter a situação na Justiça, como ocorreu com o Dalton Borges em 2008, quando a atual prefeita (Franciane Mota, esposa do deputado) perdeu nas urnas. Como Manuela não tem pendências judiciais ele não sabe o que vai fazer depois se ela bater o Pitico no voto”, disse membro do PMDB.

Vinte e quatro horas após o vazamento do áudio Paulo Melo confirmou que a voz é mesmo dele, mas negou ter aplicado a cifra toda na campanha do seu candidato. À revista Veja ele disse que o áudio foi editado e que os R$ 4,1 milhões referem à verba usada por ele nas eleições de 2014, quando foi reeleito deputado estadual, e nas deste ano. 


“De fato doei à campanha do meu candidato, dentro das regras estabelecidas pela lei. É bom destacar que não se trata de dinheiro público ou qualquer tipo de doação ilícita, como tentam fazer parecer nossos adversários. Doei 200.000 mil, quantia dividida entre o candidato a prefeito e a vereadores, além de alguns candidatos de cidades vizinhas”, explicou o deputado através de nota. 

Como o limite de gastos na campanha para prefeito de Saquarema está fixado em R$ 1,586 milhões. Se comprovado que o deputado desembolsou mesmo os R$ 4,1 milhões estará configurado abuso de poder econômico.


0