Em CPI, ex-diretor de pavimentação de Foz do Iguaçu confirma delação

Declaração foi feita durante CPI da Operação Pecúlio nesta segunda (27).
Aires Silva é acusado de participar de esquema de corrupção na prefeitura.


Do G1 PR, com informações da RPC em Foz do Iguaçu

O ex-diretor de pavimentação da Secretaria de Obras de Foz do Iguaçu Aires Silva confirmou nesta segunda-feira (27) aos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Operação Pecúlio o que declarou ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal em acordo de colaboração. Entre as declarações, o ex-secretário reafirmou que o prefeito Reni Pereira (PSB) sabia do esquema de corrupção envolvendo contratos da prefeitura com empresas da região. Para as demais perguntas feitas pelos vereadores, ele preferiu ficar calado.



Aires é acusado de fazer parte do grupo de agentes políticos, servidores e empresas que desviavam recursos públicos liberados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do Sistema Único de Saúde (SUS) para obras e serviços de saúde na cidade. Para o MPF e a PF, o esquema era chefiado pelo prefeito Reni Pereira (PSB).

“O senhor Aires prestou um depoimento judicial já, fez um termo de colaboração bastante delicado. Eu sugeri à Casa que este termo fosse lido, o que foi feito, e ele ratificasse ou não o que declarou em juízo. Novas perguntas podem fazer com que ele sugira detalhes que não foram esclarecidos em juízo e estes novos detalhes podem fazer a Justiça entender que ele os omitiu e isso vir a prejudicá-lo”, esclareceu a estratégia o advogado do ex-secretário, Fernando César Antunes.

Na quinta-feira (23), Silva já havia comparecido à Câmara Municipal, porém pediu suspensão do depoimento porque não estava acompanhado do advogado, naquele dia em viagem. Ele foi preso na segunda fase da Operação Pecúlio, deflagrada no dia 3 de maio pela PF, ficou na carceragem da delegacia da Polícia Federal e foi solto no dia 20 de junho após assinar acordo de colaboração premiada.

Aires e outras 84 pessoas são réus no processo que investiga o recebimento de propina das empresas que contratavam com a prefeitura. Segundo a PF e o MPF, os prejuízos calculados até agora somam quase R$ 5 milhões.

Após as declarações do ex-diretor de Pavimentação, o presidente da CPI da Operação Pecúlio - iniciada no dia 18 de maio -, vereador Dilto Vitorassi (PV), aproveitou para adiantar que a comissão tem elementos suficientes para pedir o afastamento do prefeito Reni Pereira.

“O depoimento feito por eles feito já na delação premiada é suficiente para incriminar a quem nós estamos buscando. Os depoimentos que ele ratificou aqui são altamente esclarecedores são provas suficientes para que a gente apresente um relatório prévio agora no dia 5 [de julho] pedindo o afastamento do prefeito”, observou.

Por ter foro privilegiado, o processo contra o prefeito, cujo processo corre no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre (RS). O advogado do prefeito, Egídio Arguello, disse que está analisando as delações e que só depois deve se pronunciar sobre as denúncias.

Além de Aires Silva, quatro pessoas assinaram acordos de leniência com a PF e o MPF. De todos os mandados cumpridos nas três fases da operação, 13 pessoas continuam presas preventivamente. E, em acordo com a Justiça Federal, o conteúdo dos depoimentos à CPI são mantidos em segredo.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas