Postagem em destaque

Auditor da Receita e a mulher são presos no DF por fraude em licitações

Ele é ex-coordenador-geral de Fiscalização; edital era da Casa da Moeda.

Um dos alvos da ação é consultoria que recebeu cerca de R$ 70 milhões.


Raquel Morais | G1 DF


O auditor-fiscal da Receita Federal Marcelo Fisch e a mulher dele, Mariangela Defeo Menezes, foram presos em Brasília na manhã desta sexta-feira (3) em uma operação da Polícia Federal para desarticular uma quadrilha suspeita de fraudar licitações da Casa da Moeda. Segundo a PF, os crimes movimentaram mais de R$ 6 bilhões de dinheiro público.


Marcelo Fisch

Policiais apuraram que houve direcionamento em licitações para a implantação do Sistema de Controle da Produção de Bebidas na época em que Marcelo Fisch era o coordenador de Fiscalização da Receita. O sistema prevê a instalação de equipamentos em indústrias de cervejas, refrigerantes, suco e água mineral, para contabilizar os produtos diretamente nas linhas de produção. Os dados são repassados à Receita, que faz a tributação dos itens.

A suspeita é que o primeiro contrato fraudulento tenha sido assinado em 2008. O acordo ocorreu sem a exigência de licitação, e a empresa beneficiada recebeu cerca R$ 70 milhões mesmo sem nunca ter prestado os serviços.

A apuração apontou que uma licitação mais recente, realizada entre 2014 e 2015, também foi fraudada para beneficiar a empresa.

Além disso, a investigação diz que em 2009 a mulher de Fisch abriu uma organização, que recebeu US$ 5 milhões de uma consultoria dos Estados Unidos. O dono da consultoria é o mesmo da empresa contratada em 2008 e depois em 2015.

Ação da PF

 
Ao todo, a PF cumpriu nesta sexta seis mandados de busca e apreensão em escritórios e nas casas dos integrantes do suposto grupo criminoso. A operação recebeu o nome de Esfinge.

Os mandados foram expedidos pela 8ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, e a operação ocorreu em São Paulo e em Brasília. Os presos serão transferidos para a capital carioca. A ação conta com o apoio da Corregedoria-Geral do Ministério.

Fisch e a mulher foram indiciados e denunciados por crimes de corrupção ativa e passiva e enviados para o RJ.

A Operação Esfinge é um desdobramento da Operação Vícios, da Delegacia de Repressão a Corrupção e Crimes Financeiros (Delecor) do Rio de Janeiro, que no ano passado cumpriu mandados de busca em 23 endereços ligados aos investigados.


0