Postagem em destaque

Fraudes causam suspensão do programa de reforma agrária

Suspeita de fraude atinge quase 600 mil beneficiários.
TCU identifica até mortos entre os beneficiários da reforma agrária.


Jornal Nacional

O Tribunal de Contas da União determinou a paralisação do programa de reforma agrária no país. Os auditores encontraram milhares de irregularidades. Segundo as investigações, até mortos receberam terras ou recursos do programa. 




A suspeita de fraude atinge quase 600 mil beneficiários, um terço do total atendido pelo Incra em todo o país. Os auditores do TCU cruzaram os dados do Incra com dados da Receita Federal, do INSS e do sistema eleitoral. E acharam entre os beneficiados da reforma agrária, que recebem terra e recursos, quase 62 mil empresários, 144 mil servidores públicos e quase 38 mil mortos e mais de mil políticos eleitos, 800 vereadores, quase 100 deputados estaduais, 69 vice-prefeitos, quatro prefeitos e um senador.

Todos são proibidos por lei de entrar no programa de reforma agrária, que deveria atender famílias com renda de até três salários mínimos e que lidam diretamente com a terra. Os nomes suspeitos estão em sigilo até o fim do processo.

O maior número de irregularidades está no Pará, com quase 80 mil casos e em Mato Grosso, com 66 mil casos. O prejuízo pode chegar a quase R$ 3 bilhões.

Os auditores descobriram também que o Incra suspendeu as visitas de supervisão do programa - segundo o TCU, importantes para detectar fraudes e conferir se os beneficiários da reforma agrária estão de fato na terra.

Até o fim da investigação, estão suspensas novas concessões de benefícios, créditos e assistência. Também novos assentamentos como os decorrentes das desapropriações autorizadas pela presidente Dilma Rousseff na semana passada, em 12 estados.

No relatório, o TCU também cita a reportagem do Fantástico em janeiro deste ano, que mostrou o descontrole na distribuição de terras da reforma agrária. Enquanto trabalhadores rurais passam muito tempo esperando por um lote, empresários, autoridades públicas e mortos, como constatado agora pelo TCU, receberam áreas do governo sem gastar um tostão. Na época, segundo a Controladoria-Geral da União, havia 76 mil lotes com indícios de fraude, quase 8% do total concedido nos últimos 20 anos.

No Congresso, a CPI do Incra pediu acesso aos documentos. Em nota, o Incra disse que ainda não recebeu o acórdão do TCU e que só depois disso vai se manifestar.


0