TCM do Rio abre investigação após suspeitar de contratos da Câmara

Sócia de empresa assinou contrato de R$ 2 milhões com poder legislativo.
Kelly Teixeira mora em casa na periferia de Duque de Caxias, Baixada.


Do G1 Rio

O Tribunal de Contas do Município do Rio decidiu investigar contratos fechados nos últimos quatro anos pela Câmara de Vereadores depois de descobrir que Kelly Vieira de Melo Teixeira, moradora de aluguel em um bairro da periferia de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, foi responsável por assinar um contrato de mais R$ 2 milhões com a casa do poder legislativo municipal. As informações são do RJTV.

Kelly mora no segundo andar de uma casa na periferia de Caxias. Mas apesar de viver em um imóvel modesto, Kelly foi sócia de duas empresas que tiveram contratos milionários com órgãos públicos.

Em 2010, Kelly era uma das donas da SCMM Serviços de Limpeza e Conservação. Neste mesmo ano, ela assinou um contrato de mais de R$ 2 milhões com a Câmara dos Vereadores.

A empresa forneceria mão de obra para atender às atividades de produção, programação e manutenção da TV Câmara por um ano. O contrato foi assinado pelo presidente da Câmara, o vereador Joge Felippe (PMDB).

Mesmo tendo fechado um negócio milionário, Kelly não parece ter um perfil empresarial, como garantiu uma mulher que se identificou como madrinha dela.

- Ela trabalha com o quê? Ela é secretária, né?
- É... Secretária lá de baixo...
- Lá de baixo?
- É trabalha lá embaixo, da cidade, né?

A madrinha disse que Kelly não estava em casa. A produção do RJTV insistiu nos dias posteriores, no entanto não a encontraram.

- E ela é o quê? É empresária, ela...
- Não é, nada... Pô, como é que a pessoa é empresária e mora numa casa de aluguel dessa, minha? É minha, essa casa... É minha... Se você ver a casa dela, não tem um móvel...

"Ela é uma mulher que não tem nada. Ainda mora na minha casa de favor. Nunca foi empresária de nada, coitada... Ela nunca foi empresária de nada, ela... Nunca... Nunca, nunca, nunca", disse a suposta madrinha.

Além da SCMM, Kelly também teve uma empresa em seu nome. Nos registros da Junta Comercial, entre 1999 e 2009, Kelly foi sócia da empresa Space 2000. No contrato, o capital que ela tinha na empresa era de apenas R$ 1.900. Em 2009, Kelly deixou a Space 2000 e se tornou administradora da SCMM. Desta vez, com um capital de quase R$ 8,3 milhões.

No ano seguinte, ela assinou o contrato em que a SCMM fica responsável por cuidas da TV Câmara. Entre as derrotaas na licitação emq ue a SCMM foi vencedora estava a empresa Locanty.

A Locanty é investigada pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal por suspeita de fraudes em licitações.

Quatro meses depois da assinatura do contrato da SCMM com a Câmara, Kelly deixou a empresa. Em seu lugar assumiram João Alberto Felippo Barreto e Pedro Ernesto Barreto, sócios da Locanty.

João Alberto e Pedro Ernesto deixaram a SCMM em setembro de 2012. O contrato da SCMM com a Cãmara terminou em outubro do ano passado. Neste período, a SCMM recebeu quase R$ 10 milhões.

No lugar da SCMM, quem assumiu a TV Câmara foi a Space 2000, mesma empresa da qual Kelly Vieira de Melo foi sócia. O contrato, que ainda está em vigor, é de quase R$ 5, 3 milhões. Na casa onde mora Kelly, ninguém ouviu falar que ela fosse dona de qualquer empresa.

- A senhora sabe se a dona Kelly tem alguma empresa?
- Empresa, não.
- Se ela foi sócia de alguma empresa...
- Ela mora aqui, só sei que ela mora aqui...
- Ela mora na parte de cima?
- É...Paga até um aluguel... Nunca falou que tinha empresa.

O presidente do Tribunal de Contas do Município, Thiers Montebello, decidiu pedir nesta segunda-feira (25) uma auditoria nos contratos assinados entre a Câmara de Vereadores do Rio e as empresas que operaram a TV Câmara nos últimos quatro anos.

"O tribunal vai examinar contrato por contrato. Apurar tudo o que foi feito. O que tem que haver, verificar que há indícios de irregularidade, é dever nosso, não é favor, é dever nosso apurar isso. Essa sucessão de fatos aí, que em principio causa surpresa", disse o presidente.

Em nota, a Câmara de Vereadores afirmou que os contratos para a gestão da TV Câmara passaram por todos os trâmites legais. E que a casa atuou nos limites da lei, não tendo qualquer ingerência na empresa contratada. A assessoria da Câmara ainda informou que o presidente da casa, Jorge Felippe, não teve qualquer contato com Kelly Vieira de Melo Teixeira.

Por telefone, a produção do RJTV entrou em contato com Kelly Vieira de Melo Teixeira, mas ela não quis dar declarações. A produção ainda tenta contato com João Alberto Felippo Barreto e Pedro Ernesto Barreto, da Locanty. Representantes da Space 2000 e da SCMM Serviçoes de Limpeza e Conservação também estão sendo procurados para se posicionarem sobre o caso.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas