Postagem em destaque

Dilma defende Foster e ação do governo para evitar bloqueio de bens

Presidente diz ver tentativa de tirar executiva do comando da estatal.
Em PE, ela também reclamou da falta de investigação no governo FHC.


Do G1 Caruaru e do G1 em Brasília

A presidente Dilma Rousseff voltou a defender enfaticamente nesta quinta-feira (21) a presidente da Petrobras, Graça Foster, que enfrenta uma crise à frente da estatal ante a possibilidade de ter os bens bloqueados pelo Tribunal de Contas da União. Em visita de campanha a uma obra da transposição do Rio São Francisco, em Floresta (PE), a petista elogiou a gestão da executiva e disse ver tentativa de tirá-la do comando da empresa.

Uma reportagem do jornal "O Globo" publicada nesta semana revelou que dois imóveis no Rio de Janeiro, em nome de Graça, foram transferidos a familiares em 20 de março, dias após as primeiras denúncias sobre a compra da refinaria de Pasadena. Em 23 de julho, o TCU determinou o bloqueio de bens de dez gestores da estatal e, nesta quarta, adiou novamente a análise do bloqueio de bens de Graça Foster.

"A presidente Graça Foster respondeu perfeitamente sobre a questão dos seus bens numa nota oficial. Eu repudio completamente a tentativa de fazer com que a Graça Foster se torne uma pessoa que não pode exercer a presidência da Petrobras. Sabe por quê? Porque, se fizerem isso, é pelos méritos dela", afirmou Dilma.

A presidente destacou que a Petrobras, sob Graça Foster, atingiu produção de 2,3 milhões de barris por dia e deve chegar à marca de 4,2 milhões em 2020 em contratos já fechados. A petista também disse que o Brasil deixou de importar plataformas de petróleo para produzi-las dentro do país, fortalecendo a indústria naval brasileira.

"A Maria das Graças Foster esteve presente em todas essas esferas. Eu lamento profundamente a tentativa, a cada eleição, de primeiro se fazer uma CPI da Petrobras; de segundo, criar esse tipo de problema", disse a presidente, que questionou o motivo de problemas na gestão anterior da Petrobras, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, não terem sido alvo de investigação.

Ela citou o afundamento da plataforma de petróleo P-36 em 2001, na Bacia de Campos (RJ) e que segundo Dilma, custava R$ 1,5 bilhão no valor atual. Ela também citou uma troca de ativos entre a Petrobras e a Repsol na Argentina naquele mesmo ano que teria dado prejuízos à estatal brasileira. Por último, falou da tentativa do governo FHC de privatizar a estatal, sob o nome "Petrobrax".

"Eu acho extremamente equivocado colocar a maior empresa de petrólio – sem dúvida nenhuma – da América Latina e a maior empresa do Brasil, sempre durante a eleição, como arma política ou como objeto de discussão política", afirmou.

Ao final de uma entrevista com jornalistas, a presidente também defendeu a atuação dos ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Advocacia-Geral da União, Luís Inácio Adams, junto ao TCU para evitar o bloqueio de bens de Graça Foster.

"A Petrobras é controlada pela União. A Diretoria da Petrobras representa a União. É de todo interesse da União defender a Petrobras, a Diretoria da Petrobras. Nada tem de estranho esse fato", afirmou a presidente.

"Pelo contrário, é dever do ministro da Justiça e de qualquer ministro do governo defender a Petrobras, posto que ela é não só controlada pela União, mas uma das empresas mais importantes do país. Estranho seria se eles não fossem lá defender a Petrobras", completou.

"Agora, Petrobras será, no meu governo, eu te asseguro, não precisa do ministro da Justiça nem do Adams, a presidente também defenderá", finalizou.

0