Empresa investigada pela PF vence licitação no Ministério do Trabalho

Acusada de pagar propina a ex-assessores do ministro da Fazenda Guido Mantega e a fraudar prestação de contas, Partners deve ganhar contrato de R$ 6,4 milhões


Murilo Ramos | Época

A empresa mineira Partners venceu o pregão eletrônico 24/2014 realizado pelo Ministério do Trabalho na terça-feira (22) para prestar serviço de assessoria de imprensa à pasta. A Partners ofereceu a menor proposta (R$ 6,4 milhões) entre as 12 empresas que participaram da disputa. De acordo com o edital, a empresa terá de disponibilizar 20 profissionais de comunicação para auxiliar o ministério por um ano. Mesmo investigada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal por pagamento de propina a dois ex-assessores do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e a fraudar a prestação de contas do contrato, a empresa foi habilitada pelo Ministério do Trabalho a participar da licitação.

ÉPOCA publicou em novembro do ano passado denúncia de Anne Paiva, ex-secretária da Partners em Brasília. Ela afirmou que o diretor financeiro da empresa, Vivaldo Ramos, pagara propina a Marcelo Fiche, chefe de gabinete do ministro Mantega, e a Humberto Alencar, chefe de gabinete substituto e fiscal do contrato com a Partners. Anne disse que R$ 60 mil foram distribuídos em propina a Fiche e a Alencar. Em troca, segundo Anne, os dois garantiriam a vitória da empresa na licitação e o pagamento da empresa em dia. Anne afirmou ter entregado o dinheiro aos dois pessoalmente nas dependências do Ministério da Fazenda. Ela também repassou a ÉPOCA uma extensa documentação interna da Partners. Os papéis corroboravam suas acusações. Tratava-se de emails, extratos de mensagens via Skype, comprovantes bancários, planilhas de pagamentos e cópias das prestações de contas da empresa ao Ministério da Fazenda. A Partners foi acusada ainda de encaminhar informações falsas sobre funcionários da empresa ao Ministério da Fazenda na prestação de contas.

Marcelo Fiche, Humberto Alencar e a Partners sempre negaram irregularidades e a existência de propina em torno do contrato da empresa.

Em maio deste ano, a Procuradoria da República no Distrito Federal determinou abertura de inquérito civil público para investigar as evidências de corrupção no contrato da Partners com o Ministério da Fazenda. A denúncia do pagamento de propina a integrantes do Ministério da Fazenda também é investigada pela PF. Em abril, Anne prestou depoimento à PF e confirmou o pagamento da propina. O caso é apurado ainda por uma comissão de sindicância do Ministério da Fazenda e pela Comissão de Ética da Presidência da República.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o Ministério do Trabalho afirmou que a Partners ainda não foi decretada vitoriosa na licitação e que precisa superar todas as etapas da concorrência para se sagrar vencedora. Segundo o ministério, a empresa apenas apresentou a menor proposta de preço. A Partners, segundo o Ministério, deverá apresentar planilha com os valores para explicar como arcará com os custos exigidos em edital e documentos que a habilitem a continuar no processo de contratação. Segundo o Ministério, em razão da “ampla divulgação do fato (acusações contra a empresa) na mídia”, a corregedoria do Ministério da Fazenda e a Controladoria Geral da União serão procuradas pelo Ministério do Trabalho em busca de informações da Partners.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas