Oposição cobra de Mantega explicação sobre denúncias

Senadores do PSDB querem convocar assessores acusados de receber propina

Martha Beck | O Globo


Parlamentares da oposição querem explicações do ministro da Fazenda, Guido Mantega, sobre as denúncias publicadas na revista "Época" no fim de semana, de que dois de seus assessores teriam recebido propina de uma empresa que presta serviços de assessoria de imprensa ao Ministério da Fazenda. Os senadores Álvaro Dias (PSDB-PR) e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) enviaram requerimento à Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle para que sejam convidados a dar explicações o chefe de gabinete de Mantega, Marcelo Fiche; o chefe de gabinete substituto, Humberto Alencar; e a ex-secretária da Partnersnet Comunicação Empresarial Anne Paiva, que teria denunciado o esquema, segundo a revista.

Os senadores também pediram explicações ao ministro sobre o contrato entre a Fazenda e a Partnersnet, e que providências Mantega adotou para investigar as denúncias. Dias acusou o ministro de não agir com rigor:

— A primeira medida que deveria ter sido tomada era o afastamento dos assessores até que a investigação seja concluída. Faltou rigor.

Acusação falsa, diz advogado

Segundo o Ministério da Fazenda, o próprio Mantega já pediu que a Polícia Federal (PF) investigue o caso e determinou que seja apurado na Corregedoria da Fazenda. Fiche e Alencar ontem trabalharam normalmente. À noite, a Fazenda informou por nota que os dois pediram férias para se defender.

O advogado da Partnersnet, Antônio Carlos de Almeida Castro, afirmou que a cópia de uma conversa por Skype entregue à revista como prova do pagamento de propina a um dos assessores de Mantega é falsa. O documento mostra uma conversa entre o diretor da Partnersnet Vivaldo Ramos e Anne Paiva, na qual ele pede à secretária que saque R$ 15 mil de sua conta e entregue a Humberto Alencar no Ministério da Fazenda. Segundo a denúncia da revista, a empresa fazia depósitos na conta de Anne para que ela sacasse o dinheiro e entregasse aos assessores.

Segundo o advogado, a conversa foi adulterada. Ele afirmou que, na mensagem verdadeira, Vivaldo Ramos teria pedido que Anne sacasse R$ 5 mil de sua conta e entregasse a ele próprio, sem fazer qualquer referência à equipe de Mantega. Para o advogado, a adulteração pode ter o objetivo de atacar o ministro.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas