Postagem em destaque

Polícia apreende documentos sobre desvio de verbas da Câmara de Curitiba

ESTELITA HASS CARAZZAI
DE CURITIBA - FOLHA DE SP

A Polícia Civil do Paraná apreendeu, nesta quinta-feira (31), documentos, computadores e CDs para auxiliar nas investigações sobre suspeitas de desvios de verba na Câmara Municipal de Curitiba, ocorridos entre 2006 e 2011.

Há indícios de que cerca de R$ 30 milhões tenham sido desviados por meio de contratos de publicidade firmados em nome de laranjas. As denúncias, que são investigadas desde 2011, foram feitas inicialmente pelo jornal "Gazeta do Povo".

Na época, o presidente da Casa era o vereador João Cláudio Derosso (ex-PSDB, hoje sem partido), que permaneceu no cargo por 14 anos. A empresa de sua mulher estava entre as contratadas pela Câmara. Derosso foi desfiliado do PSDB e não se candidatou à reeleição no ano passado. Ele sempre negou irregularidades.

A casa de Derosso estava entre os locais que foram revistados pela polícia hoje. Também foram visitadas as sedes das empresas de publicidade envolvidas e casas e escritórios de ex-servidores da Câmara, então membros da comissão de licitação da Casa.

No total, 15 mandados de busca e apreensão foram cumpridos, em Curitiba, Pinhais (região metropolitana) e Londrina (norte do Paraná). Ninguém foi preso pelas suspeitas, mas três pessoas foram detidas por posse ilegal de arma. Elas foram liberadas após pagamento de fiança.

Segundo o delegado Robson Barreto, que coordena a investigação, o inquérito policial deve ser finalizado em até dois meses. Por enquanto, ninguém foi denunciado à Justiça.

As investigações correm em segredo de Justiça. Por isso, a polícia não forneceu mais detalhes sobre as suspeitas.

A Folha não havia conseguido falar com o advogado de Derosso até as 17h desta quinta-feira.


0