Comissão tem mais provas da Condor

Levantamento revela 700 desaparecimentos cruzados no Cone Sul

Tatiana Farah - O Globo


São Paulo- Documentos do Serviço Nacional de Inteligência (SNI) e do Arquivo Nacional mostram a ligação entre desaparecimentos de argentinos no Brasil e de brasileiros na Argentina em 1973. Segundo o levantamento feito pelo grupo da Comissão Nacional da Verdade (CNV) que trata da Operação Condor — que reuniu ações de repressão dos países do Cone Sul — e pela pesquisadora Janaína Teles, da USP, os desaparecimentos do argentino Antonio Pregoni, do francês radicado na Argentina Jean Henri Raya, e do brasileiro Caiupy de Castro, em novembro daquele ano no Rio, estão ligados ao desaparecimento do ex-major do Exército Joaquim Pires Cerveira, ocorrido um mês depois, em Buenos Aires.

Cerveira foi banido do Brasil em 1970, depois do sequestro do embaixador alemão, que resultou no exílio de 40 presos políticos. Segundo os documentos apresentados ontem pelas comissões nacional e estadual da Verdade em São Paulo, esses militantes de esquerda já vinham sendo investigados tanto pelo aparelho de Estado da Argentina quanto do Brasil, de maneira integrada, havia pelo menos seis meses. Os corpos desses ativistas nunca foram localizados.

Ontem, antes da sessão das comissões, Carlos Lafforgue, diretor do Arquivo Nacional da Memória da Argentina, entregou à CNV um relatório com 700 desaparecimentos cruzados no Cone Sul, ou seja, de militantes de determinado país que desapareceram nos países vizinhos, confirmando a ação dura da Operação Condor. Segundo Lafforgue, há pelo menos 30 nomes de brasileiros.

O presidente da Comissão estadual da Verdade, deputado Adriano Diogo, vai entrar com um pedido de investigação no Ministério Público Federal. O parlamentar afirmou ainda que vai encaminhar os casos para a Comissão de Anistia para possível reparação.



-->
Postar um comentário

Postagens mais visitadas