Postagem em destaque

Dadá se vangloriava de ter acesso ao MPDF

Araponga atualizou esquema comandado pelo bicheiro com dados sigilosos obtidos no órgão e na Polícia Civil

VINICIUS SASSINE – CORREIO BRAZILIENSE

O araponga Idalberto Matias de Araújo, o Dadá, repassou informações à organização criminosa de Carlinhos Cachoeira obtidas, segundo o próprio araponga, no Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e na Delegacia Especial de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública (Decap), da Polícia Civil do DF. Em conversas telefônicas com Cachoeira, degravadas para a Operação Monte Carlo, o araponga repassa ainda informações sobre a possível ocorrência de três operações da Polícia Federal (PF) no ano passado.

"Tô saindo do órgão aqui. Vão ser três (operações), entendeu? Duas já sei o que é", relata o araponga a Cachoeira em diálogo em 29 de junho de 2011. Nas conversas em que exalta a influência no MPDFT e na Decap, Dadá diz ter estado nas duas instituições e obtido informações sobre investigações em curso. O interlocutor era Cláudio Abreu, ex-diretor da Delta Construções denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por participação no grupo criminoso de Cachoeira.

O Correio mostrou na última quarta-feira que a PF encontrou na casa de Dadá na Asa Norte documentos sigilosos sobre investigações de jogos de azar produzidos pelo MPDFT, pelo MP de Goiás, pela Justiça estadual e pela Polícia Militar goianas. Os documentos reservados acabaram nas mãos de um dos principais integrantes do grupo criminoso de Cachoeira.

Cabia a Dadá, conforme a denúncia oferecida pelo MPF, obter informações sigilosas junto a instituições públicas. Para isso, o sargento da reserva da Aeronáutica usava práticas de espionagem. A PF encontrou na casa dele pesquisas feitas na rede Infoseg — um banco de dados de todas as secretarias de segurança pública dos estados e do DF — e um relatório com as linhas telefônicas que teriam o sigilo quebrado para a Operação Monte Carlo.

Diálogos telefônicos usados na investigação corroboram a descoberta de documentos sigilosos em poder do araponga. Na conversa com Cláudio Abreu, em 5 de agosto do ano passado, o então diretor da Delta no Centro-Oeste quer saber se está envolvido numa investigação do MPDFT e da Decap relacionada a contratos de lixo da Delta no DF. O araponga diz ter estado frente a frente "com a promotora que tá cuidando do lixo". "Fui na Decap lá, doutor Flamarion, não tem essa investigação."

Negativas

O MPDFT informou que a promotora de Justiça citada por Dadá é Catia Gisele Martins Vergara.

"Em meados de agosto de 2011, a promotora retornou de licença médica e férias. Somente em 22 de setembro recebeu o processo. A promotora jamais se reuniu com a pessoa conhecida por Dadá", disse a assessoria de imprensa. O delegado Flamarion Araújo, que chefiou a Decap e hoje comanda a Delegacia de São Sebastião, afirmou nunca ter visto ou recebido o araponga. "Se eventualmente tivesse recebido, diria que não existia investigação."

A Cachoeira, Dadá forneceu informações sobre prováveis operações policiais, conforme diálogo telefônico em junho de 2011. Segundo o araponga informou ao bicheiro, as operações ocorreriam no Rio de Janeiro, em São Paulo e na Região Centro-Oeste. "A do Rio é Jogos Militares Mundiais, segurança das autoridades. Em São Paulo é sonegação. A do Centro-Oeste eu não consegui descobrir ainda", diz Dadá no diálogo.

Zunga é exonerado

O ex-subsecretário de Esportes do Distrito Federal João Carlos Feitoza, conhecido como Zunga, foi exonerado ontem do cargo de chefe da assessoria de gabinete da Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso do DF (Funap). Zunga é apontado pelos relatórios da Polícia Federal como elo entre o governador do DF, Agnelo Queiroz, e o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. De acordo com a PF, o ex-subsecretário de Esportes teria sido o responsável por tentar negociar um encontro entre o governador e o bicheiro. Em conversa interceptada pela PF em 16 de junho do ano passado, Dadá diz para Cachoeira que Zunga ligou "porque o chefe dele lá, o 01 (supostamente Agnelo) está querendo falar com você".

0