Postagem em destaque

Teixeira apaga elos com caso ISL

No cartório, dirigente se desliga de Havelange e esconde nome de firma em paraíso fiscal 

RODRIGO MATTOS – FOLHA DE SP 
DE SÃO PAULO

Sob pressão na CBF, o presidente Ricardo Teixeira tomou medidas para desvincular ou esconder elos com o caso da ISL, ex-parceira da Fifa e centro do maior escândalo de corrupção de sua história. 

Fez isso com alterações na sua principal empresa, a RLJ Participações. Em 2001, a CPI do Futebol apontou a firma como responsável por operações financeiras e pela compra e administração de seus bens. As mudanças na RLJ ocorreram no segundo semestre de 2011 e coincidem com o aumento da pressão em Teixeira sobre o caso ISL. 

Um ano antes, a rede britânica BBC acusara ele e o ex-presidente da Fifa João Havelange de receberem propina da ISL na década de 90. 

Segundo a emissora, Teixeira ganhou US$ 9,5 milhões por meio da Sanud Etablissement, empresa no paraíso fiscal de Liechenstein, na Europa. Havelange teria recebido diretamente, diz a BBC. 

No meio do ano passado, Teixeira excluiu Lúcia Havelange da RLJ. Filha do ex-presidente da Fifa, foi casada com o dirigente da CBF - separaram-se nos anos 90. 

Lúcia tinha 25% da RLJ até então, mesmo percentual de Teixeira. Apesar de extinta no final da década de 90, a Sanud detinha outros 50%. 

Para excluir Lúcia da sociedade, o presidente da confederação conseguiu derrubar uma medida judicial que exigia que ela detivesse cotas dessa empresa. Com ela fora da empresa, acaba o vínculo indireto dele com Havelange. 

No final de 2011, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, em litígio com Teixeira, disse que divulgaria o dossiê ISL, que citaria a Sanud e Havelange. A Justiça suíça chegou a derrubar o sigilo do processo, mas houve recurso. 

Também no final do ano passado, Teixeira aumentou o capital da RLJ, assumindo o controle com 75%. A Sanud se manteve com 25%. É preciso ter dois sócios pela lei. 

Em seguida, transformou a RLJ de companhia limitada em sociedade por ações fechadas. A empresa passa a ter de publicar balanços, mas agora sua composição societária não pode ser conhecida. 

Ou seja, o nome da Sanud não aparecerá mais associado a Teixeira como antes. 

Um artigo do estatuto da nova RLJ permite retirar acionistas que não concordem com a mudança. Assim, a Sanud pode ser excluída. 

Não há consequências jurídicas, pois não há processo sobre esse caso no Brasil. Mas isso desvincularia, enfim, sua empresa do caso ISL. 

Por sua assessoria, o presidente da CBF disse que o processo de alterações na empresa foi "legal e declarado no Imposto de Renda". E lembrou que a Sanud foi extinta.
0