Postagem em destaque

Jucá fará emenda para retaliar Jobim por demissões na Infraero

Ele vai apresentar proposta que obriga presidente nomear um militar como ministro Defesa

Eugênia Lopes, BRASÍLIA

Irritado com a demissão de um irmão e uma cunhada da Infraero, órgão subordinado ao Ministério da Defesa, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), anunciou ontem que vai apresentar uma proposta de emenda à Constituição que obrigue o presidente da República a nomear um militar da ativa ou da reserva para comandar a pasta.

A emenda de Jucá é uma retaliação à decisão do ministro Nelson Jobim, que elaborou e conseguiu a aprovação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o plano de demissões de indicados políticos da Infraero - empresa estatal que trata da infraestrutura dos aeroportos. Um dos demitidos foi Oscar Jucá Neto, irmão do líder do governo, que era assessor da Infraero no Recife. A cunhada de Jucá, Taciana, mulher de Oscar, também foi demitida.

"Se depender de mim, o ministro Jobim fica. Aliás, ele fica até eu aprovar a minha proposta de emenda constitucional, que define que o ministro da Defesa precisa ser militar da ativa ou da reserva para entender de defesa", disse ontem Jucá, em discurso no plenário do Senado. Ele explicou que reclamou com o ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, da forma "deselegante" como ocorreram as demissões.

"Registrei dentro do governo a falta de cortesia, a falta de educação, a falta de civilidade que se fez ao demitir, não o meu irmão, mas qualquer pessoa que trabalhasse na Infraero, da forma como fizeram, porque nós, políticos, não podemos entender que a classe política seja motivo para demissão de alguém", observou Jucá.

Na tentativa de afastar as especulações de que o PMDB pressiona o governo contra as demissões de apadrinhados políticos da Infraero, Jucá garantiu que não pediu a ninguém para seu irmão Oscar ser readmitido na Infraero. "Não pedi para meu irmão voltar, não falei com o presidente Lula para meu irmão voltar", afirmou Jucá, ao observar que pediu até hoje apenas a modernização do aeroporto de Boa Vista.

CONCURSO

O líder do governo defendeu ainda a realização de concurso público para a Infraero. "Se a Infraero vai ser preparada para ser privatizada, ótimo, vamos discutir o modelo de privatização. Se a Infraero só vai ter diretores da Casa, ótimo. Agora, vamos fazer um concurso público para botar os melhores servidores da Casa e não pessoas indicadas ou de panelinhas ligadas a grupos políticos dentro da Infraero", disse.

Depois de reunir-se na segunda-feira com o presidente Lula, o ministro Jobim confirmou que, dos 98 cargos políticos da Infraero, 28 foram afastados.

A ideia é que só 12 vagas sejam de indicação política. As demissões de apadrinhados políticos do PMDB causaram rebelião na bancada do partido. De acordo com Jobim, as demissões continuarão e o trabalho do brigadeiro Cleonilson Nicácio, presidente da estatal, tem por objetivo tornar a Infraero mais profissional.

0