Postagem em destaque

"A operação foi, sim, missão presidencial"

Protógenes revela detalhes sobre rompimento com Paulo Lacerda



VASCONCELO QUADROS, Brasília

O delegado federal Protógenes Queiroz transita pelo país como um franco atirador que não escolhe alvo para mirar e disparar. Na semana passada, pressionado pelos deputados da CPI do Grampo, mas protegido por um hábeas corpus, o delegado não respondeu perguntas que soavam impertinentes. Mas abriu o jogo numa entrevista exclusiva ao Jornal do Brasil, revelando o que não quis contar aos deputados.

– A Operação Satiagraha foi, sim, uma missão presidencial! – diz.

Protógenes ouviu de seu antigo chefe, o delegado Paulo Lacerda, ex-diretor da Polícia Federal e exdiretor da ABIN, hoje Adido Policial em Portugal, que a investigação em torno de Dantas era do interesse do Palácio do Planalto, ou seja, tinha, sim, segundo ele, o crivo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A razão era lógica: não satisfeito em espionar todo o primeiro escalão do governo, o banqueiro ainda distribuiu à revista Veja um dossiê, publicado em maio de 2006, onde insinuava que o presidente e três exministros (Luiz Gushiken, Marcio Thomaz Bastos e Antonio Palocci), além de Lacerda e o senador Romeu Tuma (PTB-SP), eram titulares de contas em paraísos fiscais.

Além disso, teria orientado seus assessores a negociar com o filho de Lula, Fábio Luis Lula da Silva, o Lulinha, o caso Gamecorp, numa atitude que o Planalto interpretou como cooptação para constranger o presidente. Dantas também contratou e passou a fazer negócios com personagens que estavam no coração do partido do governo, o PT, entre os quais o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh e o ex-ministro José Dirceu. No entendimento das autoridades que cuidam da segurança, a intenção do banqueiro era mostrar seu poder e pressionar o governo para levar vantagem na guerra pelo controle das teles. Acabou ofendendo o mais importante símbolo da República, a figura do presidente.

– É só prestar atenção na estrutura que colocaram à minha disposição na época em que as investigações ganharam força – lembra o delegado.

A história da espionagem começou em 1994, foi repassada à Veja em 2005 e publicada em 2006. Era, na verdade, uma fraude. O banqueiro contratou a empresa Kroll para investigar, mas caiu na armadilha dos adversários e mandou para a frente uma falsa denúncia. A revista rompeu o off e revelou que foi Dantas quem entregou o dossiê.

Para desvendar a rede de Dantas, Protógenes diz que chegou a contar com 26 policiais federais especializados em investigação financeira, dois peritos, 10 viaturas caracterizadas, três carros blindados e os recursos financeiros necessários para dar cabo à investigação.

– Por que me dariam essa estrutura se não houvesse o interesse do governo? Foi a maior operação da história da PF. O que até hoje eu não consegui entender é por que as coisas mudaram de uma hora para outra. As investigações se voltaram contra os policiais que investigavam o caso – reclama o delegado.

Federais e agentes da ABIN – cuja missão é servir o gabinete do presidente – encararam a Satiagraha como razões de Estado. O cenário mudou, segundo ele, a partir de setembro de 2007, quando Lacerda deixou a PF.

– Em agosto de 2007 perguntei ao Paulo se permaneceria no cargo e ele me garantiu que sim. Logo depois caiu. Fiquei sozinho – afirma.

O delegado diz que a saída de Lacerda coincidiu com uma mudança de postura do governo, que deixou de se interessar pelas atividades criminosas do banqueiro quase ao mesmo tempo em que mudava a lei e se abriam as torneiras do BNDES para garantir a fusão da Brasil Telecom com a OI – operação que tirou Dantas do comando da empresa, mas engordou o Opportunity com mais de US$ 1 bilhão.

Relação

Em outubro de 2007, Lacerda assumiu a direção da ABIn e, diante das reclamações de Protógenes sobre a falta de apoio na PF, decidiu bancar toda a Operação Satiagraha.

– Ele (Lacerda) colocou à minha disposição todos os recursos que a ABIN tinha. Conversávamos todos os dias e ele estava a par de tudo – conta Protógenes, que hoje se diz profundamente decepcionado com seu antigo chefe.

O problema é que assim que veio à tona a real participação da ABIn na Satiagraha, Lacerda tratou a operação como filho bastardo: em vez de assumir sua participação, adotou um comportamento dúbio, enquanto a CPI do Grampo e a PF cercavam Protógenes e desgastavam Lacerda. Os dois se encontravam pela última vez há um mês, quando Lacerda já estava de malas prontas com passagens compradas para Lisboa.

– Ele me recebeu por apenas 15 minutos e fez questão de encerrar logo a conversa. Parecia angustiado e triste por deixar o país.

Erros

Integrantes do grupo que dominou durante cinco anos a PF (2003 a 2007), Lacerda e Protógenes se enrolaram na mesma teia em que tentaram aprisionar o banqueiro e, involuntariamente, deixaram escapar a oportunidade de fazer uma faxina no mercado financeiro.

Protógenes deixou a operação vazar para a TV Globo e cometeu uma série de trapalhadas, entre elas o patrulhamento de jornalistas que cobriam o mercado e, por força das circunstâncias, conversavam com Dantas e os executivos do Opportunity. Fez um relatório caótico, com delirantes acusações. Hoje o delegado flerta com o PSOL e com o PDT para sair candidato a deputado.

– Rachei o Brasil – diz, ao revelar ter recusado uma oferta de US$ 5 milhões de Daniel Dantas para abandonar o inquérito.

A proposta incluía sua nomeação como superintendente da PF no estado que escolhesse. Ele simulou que aceitaria a proposta, colocou outro delegado na falsa negociação e conseguiu pegar Dantas por tentativa de suborno, no único inquérito em que o empresário foi condenado.
0