Investigação é desdobramento do caso mensalão; entenda a Operação Satiagraha



As investigações da operação da Polícia Federal denominada Satiagraha, deflagrada nesta terça-feira com a finalidade de combater um esquema de desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro, tiveram início há cerca de quatro anos. Entre outros foram presos o investidor Naji Nahas, o banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity, e o ex-prefeito Celso Pitta.

A operação, que tem seu nome numa palavra que significa resistência pacífica e silenciosa, cumpre 24 mandados de prisão e 56 de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, e em Brasília. Os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

As investigações são um desdobramento das apurações feitas a partir de documentos relacionados com o caso do mensalão e enviados à Procuradoria da República de São Paulo pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

A partir destes documentos foi aberto um processo na 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo. O empresário Marcos Valério, suspeito de ser o pivô do mensalão, é apontado como intermediador de um esquema que visava desviar recursos públicos.

Os documentos recolhidos também sugerem que Dantas comanda o que a PF considera uma grande organização criminosa suspeito da prática de diversos crimes. Empresas de fachada foram criadas para camuflar o desvio de verbas públicas.

Paralelo a esse esquema, a PF descobriu ainda a existência de uma segunda organização criminosa, integrada por doleiros e empresários que atuavam no mercado financeiro com a única intenção de lavagem de dinheiro. Nahas, segundo as apurações da Polícia Federal, comanda um esquema que praticava fraudes no mercado de capitais. Para tanto os integrantes do grupo recebem informações privilegiadas.

Outro foco de atuação desse esquema comandado por Nahas é a atuação paralela no mercado de moedas estrangeiras. Indícios apontam que o grupo pode ter recebido inclusive informações privilegiadas sobre taxa de juros do Federal Reserve (Fed, o BC americano).

A PF informou que essas duas organizações, a comandada supostamente por Dantas e a que seria comandada por Nahas, atuavam de forma interligada para cometer crimes de lavagem de dinheiro, corrupção, evasão de divisas, sonegação fiscal e formação de quadrilha.

Ligação

A ligação de Dantas e Nahas foi descoberta após a investigação baseada no banqueiro, que, por meio do Opportunity, era o gestor da Brasil Telecom, dona da Telemig e da Amazonia Telecom. Essas seriam as principais fontes de recursos do mensalão. A PF chegou a essa conclusão após quebra de sigilo do computador central do banco.

Com isso, as investigações a respeito do mensalão apontam que as empresas de telefonia injetaram R$ 127 milhões nas contas da DNA Propaganda, administrada por Valério. Essa era a fonte que alimentava o esquema de pagamento ilegal a parlamentares, segundo a PF.

Entretanto, os dados disponíveis no material coletado não reuniam informações suficientes para elucidar os beneficiários do esquema. Os dados mostraram haver fortes indícios de prática de crimes contra o sistema financeiro nacional e também de evasão de divisas.

Dantas recebia informações privilegiadas de contatos que mantinha no meio das telecomunicações. Para investigar isso, as mensagens eletrônicas do servidor central do banco foram grampeadas.

Foi através de correspondências trocadas entre Dantas e Nahas, por meio de mensagens eletrônicas, que a PF descobriu que os dois recebiam dados privilegiados.

Trajetória

Celso Pitta foi prefeito de São Paulo entre 1997 e 2000, após ser secretário de Finanças na gestão anterior, de Paulo Maluf. Em março de 2000, sua ex-mulher, Nicéa Pitta, o acusou de participar de um esquema de corrupção -- que foi conhecido como o "escândalo dos precatórios".

Os desdobramentos deste caso fizeram com que ele perdesse o cargo na Justiça em maio daquele ano, recuperando a posição 18 dias depois. Depois tentou, sem sucesso, se eleger deputado federal por duas vezes. Atualmente era filiado ao PTB.

Daniel Dantas é o dono do grupo Opportunity, fundado por ele em 1993. O banqueiro ganhou notoriedade ao se associar com o Citigroup, para se tornarem sócios do consórcio que venceu a concessão de telefonia que criou a Brasil Telecom. Depois iniciaram uma disputa societária que só terminou com a venda da empresa para a Oi (ex-Telemar) no início deste ano. Durante essa disputa foi acusado, entre outras coisas, de espionagem.

Ele aproximou-se da política no governo Fernando Collor de Mello. Depois tornou-se economista do PFL. Ganhou fama, entretanto, na época das privatizações da telefonia, em 1998, durante o governo Fernando Henrique Cardoso.

Já o megainvestidor Naji Nahas, nascido no Líbano, chegou ao Brasil na década de 70 e ficou conhecido em 1989, quando foi acusado de ser um dos responsáveis pela quebra da Bolsa de Valores do Rio. Porém, foi inocentado --a decisão final sobre o caso ocorreu apenas em 2005. Nahas também se envolveu na disputa societária da Brasil Telecom ao trabalhar como consultor da Telecom Italia, que foi uma das interessadas na compra da companhia telefônica brasileira.

Com informações da Folha de S.Paulo
Postar um comentário

Postagens mais visitadas